segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Vida Adulta II




vivo em uma ampulheta
que me bombardeia a cabeça
com a poeira do tempo

fóssil de mim mesma
a cada final de dia
e a cabeça, uma ilha
nas dunas móveis no vento.

sentimento molha a terra
moldo o barro no divã:
apaguei a fogueira da noite
e vim cozinhar aqui dentro.

... tantos eus que nem me lembro.

e hoje, mudar um mundo
que já esculpiu minha vontade -
bendito silêncio das almas
pacificadas pela idade.

(barro moldado em vaso.)

respeito consagrado
ao santíssimo cruzamento
entre este tempo
e este espaço.