sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Sobre Redescobertas

Outro ano que se foi, outro ano que deixa rastros, deixa vestígios. 365 dias é muito tempo para passar batido, mas não tanto para que não haja nada novo. Foi um ano de redescobrir velhos prazeres, velhos medos, velhos hábitos, velhos idosos. Em 2010 redescobri a mim mesma, nua e crua, sem rótulos, sem vícios.

O ano de 2010 já começou diferente, com um reveillon que há muitos anos eu não passava, em casa, em família. Não obstante redescobri essa mesma casa como meu LAR quatro meses depois, assim como redescobri minha família como meu eterno porto seguro e minha única fonte necessária para sobrevivência. Redescobri o conforto do colo de mãe, de mimo de pai, de laços fraternais diários, além de ter “a cama pronta e o rango no fogão”, como diria Lulu Santos. Em contrapartida, redescobri as dificuldades de dividir meu espaço, o ônus da convivência, os conflitos de personalidades sob o mesmo teto.

Eu redescobri minha adoração por São Paulo, mesmo sentindo a necessidade de afastar para dar valor, assim como havia feito com Rio Preto, cidade que hoje vivo e redescobri como minha Pasárgada, onde não sou amiga do rei, mas redescobri amizades reais e que durante todo este tempo que fiquei fora me acompanharam de longe. Me redescobri como cidadã do mundo, adaptável, afinal “voltar para casa” não é tão simples assim...e pode ser que o barco vire, também pode ser que não...redescobri a terapia que me ajuda nesta paciência quanto aos próximos passos que darei, a não sofrer por antecipação.

Com a redescoberta logística, veio também a redescoberta profissional, atuando em mares nunca dantes navegados e redescobrindo que disciplinas odiadas na faculdade podem ser muito mais interessantes na prática, além de redescobrir que 10 anos de experiência colaboram e muito para qualquer segmento que você deseja atuar. Redescobri a não ter medo de ousar, de dizer que não sei, de dizer que vou buscar conhecimento e tentar.

Aos 31 anos redescobri que é possível emagrecer sem remédios, que continuo uma sedentária feliz e saudável, e que é possível olhar no espelho e me achar linda e madura em cada imperfeição identificada, mesmo que sejam várias. Falei das amizades velhas redescobertas, mas não posso esquecer-me da redescoberta de que é possível fazer novas amizades a essa altura da vida e em horas de papo ter a impressão que aqueles amigos sempre estiveram ali. Assim como tem a parte ruim de redescobrir pessoas que não são o que aparentam, e com estas eu redescobri a piedade, coitadas.

Ah, o amor, este foi redescoberto pelos caminhos mais tortuosos e dolorosos, mas como uma história de novela da Gloria Perez, ou um conto de fadas, redescobrindo aquele “velho amor, ainda e sempre”. Redescobri que para ser feliz a dois, só é realmente necessário duas pessoas que se amam...incrível, não? Pois é, redescobertas aparentam ser fáceis, mas levam bem mais que 365 dias para surgirem. E muitas vezes as redescobertas carregam antigas descobertas que desejávamos que sumissem, mas não somem, são os velhos problemas redescobertos...e alguns requerem uma nova forma de conviver com os mesmos, a qual ainda estou tentando descobrir.

A maior redescoberta do ano foi a que faço neste exato momento, a escrita. Este prazer que sempre tive, independente de grandes técnicas literárias, e que por muitos anos não foi prioridade ou levado a sério em minha vida, foi finalmente redescoberto. Hoje escrevo sem assunto específico, coloco no papel (ou melhor, na tela) o que sempre ficou estocado aqui dentro buscando uma porta de emergência qualquer para se libertar. Através de um blog com mais duas mulheres em similar situação, redescobrimos juntas uma nova casa.

Encerro o ano, mas espero que as redescobertas permaneçam. É sempre bom ter a oportunidade de olhar através de outros ângulos e redescobrir o que deixamos escondidinho em algum canto pelo qual passamos durante nossas vidas. Somos o que construímos, com acabamento ou não, mas são os valores que representam nossas bases e merecem ser reforçados sempre, são eles que nos mantém em pé, todos os dias, e de cabeça erguida. A cada um de vocês desejo que suas redescobertas no próximo ano sejam sempre com o intuito de buscar a paz e, além disso, desejo saúde, que nunca é demais. Feliz 2011!