segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Início

Começar sempre é desafiador. Qual será que vai ser o tom desse blog?

Preparei um texto sobre o feminino pra começar o movimento, mas virou projeto para um próximo post. Porque queria começar mesmo escrevendo brevemente sobre escrever, e como isso pode ser libertador e construtivo.

Porque escrever é um ato criador, mais do que criativo. Possibilita uma abertura para dentro, para a infinitude de pensamentos e imagens tão constantes (e desapercebidas) em nossa mente, o contato com vozes mais profundas e esquecidas. O ato criador de escrever é um ritual de conexão com todas as camadas de vozes que nos habitam - como ouvir cada instrumento de uma orquestra. Conhecemo-nos no espelho do papel, e nos supreendemos com o que brota e com a sensação de brotar, rosas na barriga.

Mas escrever também é uma batalha dialética com os olhos alheios que nos habitam como críticas ou censura, trava-línguas que quem escreve conhece bem. E sei o quanto é difícil ser filha de cidade pequena, em que somos adestradas pelo meio a funcionar de acordo com o adequado, o previsível, o ensaiado, enquanto a voz criativa da natureza dentro do peito fica enterrada.

Escrever com duas amigas de Rio Preto vai ser um exercício constante de fortalecer esse impulso orgânico, que quebra máscaras para si mesmo como a raiz de uma árvore rompe o cimento. E é com esse espírito que tenho a felicidade de abrir nosso espaço. Feminino, inteligente, sensível e doce, sei que será. O resto, estou doida para saber.

Sucesso pra gente!